top of page

Boletim 1122 - Transtorno Déficit de Atenção & Hiperatividade

Nº 1122 – ANO XXII – 26/03 a 01/04 de 2022


Nunca podemos nos esquecer que Deus nos criou um espírito, que possuímos uma alma e moramos num corpo. Assim como o ser humano tem situações no corpo físico, muitas vezes, o físico aponta uma verdade que está acontecendo no mundo espiritual.

A psicologia tem laudado um crescimento absurdo nesta geração de pessoas com TDAH (transtorno de déficit de atenção e hiperatividade);

Esse transtorno é identificado por desatenção, desorganização, agitação, procrastinação, impulsividade ou desregulação emocional.

O TDAH (antigamente chamado de DDA), é um transtorno do neurodesenvolvimento e, por isso, seus sintomas se iniciam na infância, até os 12 anos de idade; porém, não fica restrito à infância. Sabemos que cerca de 90% das pessoas com TDAH mantêm alguns sintomas na vida adulta, em alguns casos podendo causar prejuízos reais. Muitos pais negligenciam este transtorno na vida dos filhos por estarem na pré-adolescência, definem ser coisa da idade, e vão procrastinando achando que logo passa, e a pessoa vai se tornando cada vez mais relapsa e prolixa aceitando viver e conviver assim, pois acha que é o perfil e o comportamento da pessoa. Não é apenas um exame, ou psicólogo que vai fechar o diagnóstico, isso tem que ser feito através de uma série de exames e atestado por um médico, especialista em tal transtorno; pois esse diagnóstico é baseado em uma somatória de informações atuais e prévias referidas pelo paciente e, quando possível, por pessoas próximas.

O caso é bem complexo, pois tal diagnóstico varia de pessoa para pessoa, porém, quando na vida adulta persistir a dificuldade em manter atenção, problemas com organização e percepção do tempo, levando a atrasos frequentes e dificuldades de planejamentos e organização de suas tarefas; Dificuldade de priorizar tarefas necessárias de acordo com o seu grau de importância e optando em priorizar situações que tenham recompensas imediatas.

Hiperfoco – grande poder de concentração em temas particulares que são de interesses exclusivos; levando a pessoa a gastar grande parte do seu tempo e energia naquelas tarefas. Ser visto como distraído ou esquecido; conhecido como uma pessoa de tarefas inacabadas, pois nunca conclui um projeto que iniciou, abandonando-o antes de concluído. Sensação de inquietude física e mental. Dificuldade de relaxar mesmo quando se tem tempo livre. Oscilação do humor no decorrer do dia; dificuldade em controlar a raiva em situações de estresse. Esses e outros sintomas relacionados ao TDAH precisam ser avaliados individualmente por um profissional devidamente qualificado; porém, meu foco aqui não é o transtorno psicológico em si, mas sim, um paralelo dele com a vida espiritual.

Estamos numa geração que tem sofrido com TDAH espiritual. Não conseguem se concentrar na oração; começam a falar com Deus e logo se desconectam e já não sabem nem mais o que, e com quem estavam falando. Além daqueles que vivem procrastinando as necessidades espirituais; não oram, não jejuam, e não leem a Bíblia, ou quando começam a ler, no segundo parágrafo já esquecem o que disse o primeiro. Assim também, como no secular existem especialistas que podem prescrever uma série de tratamentos, no espiritual, existe também o Médico dos médicos que pode lhe direcionar a ser restaurado, curado e tocado pelo poder do Espírito.

Você precisa reconhecer que tem passado por isso, e buscar ao Senhor; clamando que Ele entre com direção, sabedoria, estratégia e cura desse transtorno espiritual.

Procurar manter o foco ao ler a Bíblia, ao orar, ao jejuar. Estabelecer regras e alvos diários para que você vença essa apostasia, e esfriamento espiritual.

Estamos vivendo dias difíceis; dias onde o diabo sabe que seu tempo está se findando então ele tem usado de todos os tipos de ataques e jogo baixo para tentar arrebanhar o maior número de pessoas, ao qual, devemos resistir firmes na fé.

Claayton Nantes

79 visualizações0 comentário
bottom of page