top of page

BOLETIM 1076 - O poder da influência materna

Nº 1076 ANO XXI 08 a 14 de maio de 2021


Os filhos são uma bendita herança que o Senhor confiou aos pais, não somente a dádiva de gerar mas influenciar sua criação. “Filho meu, ouve a instrução de teu pai e não deixes a doutrina de tua mãe”. Provérbios 1:8. O pai, instrui, mas a mãe, doutrina. É fato que a maternidade traz obrigações, pois a influência de uma mãe na mente e no coração dos filhos é muito grande, seja para o bem ou para o mal e repercutirá no caráter desta pessoa pelo resto da vida. Uma autoridade emocional bem trabalhada gera crianças seguras e amadas. Já crianças que não têm laços afetivos bem trabalhados têm tendência a comportamentos destrutivos e infratores na tentativa de reorganizar o caos interior. Cada dia tem aumentado mais e mais famílias destruídas, lares desequilibrados e com isso o número de adolescentes e jovens desestruturados tem se multiplicado. Qualquer criança que não seja correspondida na primeira infância, que não gerou afetividade, pertencimento, ao crescer esse adolescente ou jovem vai reagir de uma maneira agressiva. Os conflitos e traumas não trabalhados têm gerado legados ruins na educação dos filhos. Toda criança precisa de amor, elogios, amizades, acompanhamento no aprendizado escolar, etc; Os laços afetivos entre mães e filhos são fundamentais para a construção de um caráter saudável e comportamentos emocionais e sociais adequados. O relacionamento íntimo entre mãe e filho ajuda na formação da autoimagem positiva que o acompanhará na vida conjugal, profissional e social. A mãe “doutrina”, transmite o hábito, valores e desenvolve a cultura, mesmo porque passa mais tempo com a criança do que com o pai; sendo assim responsáveis pela disciplina e pela função de moldar comportamentos determinantes na vida adulta dos filhos. É comprovado que o amor ou a rejeição na infância impactam a personalidade e o desenvolvimento cognitivo, seja na condição social, escolar, profissional e outras. Porém esse amor tem que ser ministrado na medida certa, pois quem ama instrui, quem ama corrige, quem ama estabelece limites. Toda criança nasce sem o censo latente definido e precisa ser estabelecido pelos pais, caso contrário a criança sofrerá consequências desastrosas em toda sua vida. A mãe não pode esquecer de que, além da sua autoridade emocional, existe a espiritual, uma “arma” que deve ser usada a favor dos filhos. Hoje mais do que nunca, a mãe deve contribuir para vida espiritual da bendita herança, a qual vai ter recompensa para a vida eterna, tanto da criança como dela própria. Joquebede exerceu uma grande influência sobre a vida do pequeno Moisés, que mesmo tendo o luxo e a regalia da monarquia, quando crescido, decidiu abrir mão da glória terrena e passageira para escolher a glória eterna. Não foi diferente com Timóteo: “Dou graças a Deus, a quem, desde os meus antepassados, sirvo com uma consciência pura, porque sem cessar faço memória de ti nas minhas orações, noite e dia; desejando muito ver-te, lembrando-me das tuas lágrimas, para me encher de gozo; trazendo à memória a fé não fingida que em ti há, a qual habitou primeiro em tua avó Lóide e em tua mãe Eunice, e estou certo de que também habita em ti”. 2 Timóteo 1:3-5 Paulo era ciente que tanto a avó como a mãe de Timóteo influenciou sua vida espiritual, e não existe herança melhor do que os pais deixarem aos filhos do que um legado espiritual. Estamos vivendo uma mudança drástica nos valores, conceitos, ideologias e instruções, e hoje mais do que nunca os pais precisam investir amor, carinho, atenção em seus filhos para influenciarem positivamente com os princípios divinos e a Verdade imutável da Palavra de Deus, para que mesmo distante seus filhos sejam homens e mulheres íntegros, tementes a Deus, e que suas vidas glorifiquem à Ele. Assim como a menina na Síria, dentro da casa do chefe dos exércitos – Naamã. Assim como Moisés no Egito; José no Egito; Daniel na Babilônia, Ester na Pérsia, enfim, servos de Deus em terra estranha. Que o Senhor vos capacite nesta sublime missão de ser mãe. PARABÉNS! Claayton Nantes


89 visualizações0 comentário
bottom of page